Carcterísticas necessárias

Matemática é para quem tem gosto por desafios, capacidade de concentração tenacidade. Talento é importante, mas não basta: como num esporte, ou na prática de um instrumento musical, a formação exige disciplina e treinamento.

Isso se faz de mais de uma maneira. Introspecção é fundamental, para tornar familiares, até pessoais, os conceitos que vão sendo ensinados. Trabalhar com outros colegas ajuda a desenvolver habilidades verbais – afinal, matemática é, antes de tudo, uma linguagem. Assim, é bom conversar e ouvir estilos diferentes. A versatilidade se ganha nesses contatos. Entre matemáticos aplicados, especialmente, é importante aprender a conviver com linguagens diferentes, e acostumar-se a trabalhar com outros pontos de vista. Mas isso também acontece mais e mais em matemática pura, à medida que mais áreas se integram em certas linhas de pesquisa.

As oportunidades são variadas: existem as bolsas de iniciação científica, as possibilidades de conseguir uma monitoria, de envolver-se com as olimpíadas de matemática. Esses treinamentos valem muito. Expressividade, concentração e capacidade de abstração crescem quando são exercitadas.

O ambiente de pesquisa é estimulante: os assuntos em geral são interessantes, os problemas chegam a ser belos. Os professores sabem que o treinamento é puxado e os alunos precisam de atenção. Em sua carreira, o pesquisador tem que oscilar entre ser criativo e ser dono de uma erudição sobre o tema que o atrai.