O que é

A física é a ciência que estuda os aspectos gerais da natureza e seus fenômenos, tentando descrevê-los sob a forma de leis matemáticas. Ela estuda a matéria e energia, avaliando e analisando suas propriedades e consequências, o que inclui os fenômenos da luz, do calor e das forças que atuam sobre os corpos. A física procura entender o comportamento da natureza, desde as partículas subatômicas ao Universo como um todo.

 

Poucas leis para entender a Natureza

O físico não se satisfaz em apenas observar um fenômeno, ele procura entender suas causas e consequências, descrevendo-o através de leis gerais.  Ele acredita que pode entender a Natureza se for capaz de descrevê-la. É um profissional que consegue falar bem a principal língua da natureza, a Matemática, utilizando a lógica e o método científico. Ele precisa ter paixão por esta linguagem, pois é o que faz com que ele possa ‘ler e escrever’ sobre os comportamentos e os fenômenos naturais.

A Biologia olha para a natureza e a descreve os fatos que observa. A Física quer entender a natureza e descrevê-la em forma de leis que estão por trás dos fatos. Alguém pegou três bolas de pesos diferentes, deixou-as cair de uma determinada altura e observou o tempo que levavam para chegar ao chão. Após a observação, fez uma descrição matemática do ocorrido. De acordo com essa descrição, Newton disse que a força a que qualquer bola estiver submetida é proporcional à aceleração que ela vai adquirir e que essa proporcionalidade depende só da sua massa (F = m*a). Pronto! Agora podemos descrever o movimento de todas as bolas do universo. É o que faz a Física, procura generalizar leis que possam descrever um fenômeno observado na natureza. Essa habilidade do físico o coloca numa posição privilegiada para lidar com diferentes problemas.

A Física é uma ciência influente, de forma que seus avanços são frequentemente base no desenvolvimento de novas tecnologias. O avanço na compreensão das leis da Natureza vem permitindo melhorias de grande valor para a humanidade. O domínio dos fenômenos naturais permitiu a criação de novos materiais, sistemas artificiais com diversas aplicações, além do desenvolvimento de novos produtos e processos. Qualquer progresso tecnológico está intrinsecamente associado ao desenvolvimento da Física.

 

Interdisciplinaridade

Quem tem interesse em uma visão interdisciplinar do universo vai adorar a Física. Alguns campos como a Astronomia, a Astrofísica, olham para milhões de anos-luz de distância de nós. Já a Física do cérebro, por exemplo, tem que lidar, às vezes, com fenômenos que duram apenas alguns nano-segundos. O físico pensa no tempo como uma variável e se interessa tanto pela organização do universo macro como pela do universo micro. Como os átomos se compõem, o que está dentro do núcleo atômico, quais são as partículas fundamentais, como os átomos se estruturam na forma de moléculas, como a informação passa de um átomo para outro e como se pode usar essas informações de um ponto de vista prático.

A Física está na base de todas as ciências. É por isso que ela tem tão grande amplitude. Ela se mistura com a Biologia, a Medicina, o meio ambiente, a indústria. É uma área com uma abertura muito grande, que dá margem a diversas carreiras. A ciência, na verdade, não tem fronteiras, e o cientista não deve se preocupar com limites entre as disciplinas. Ele deve se preocupar com os temas, com os problemas que quer resolver e compreender. Se, para realizar essa tarefa, é preciso encontrar informações e conhecimentos que foram organizados dentro de outra ‘caixinha disciplinar’, ótimo! Mais divertido ainda! Vamos aprender coisas novas…

 

Teorias, experimentos e computação

A Física é uma ciência que nasceu junto com a curiosidade humana. Os filósofos gregos já se interessavam pela natureza, pois a Filosofia na época abrangia todos os conhecimentos, desde os aspectos relativos a ética, às relações entre os indivíduos, à organização da sociedade e às coisas da natureza. Ela originou-se da filosofia natural, em que a pesquisa era feita apenas por meios teóricos ou filosóficos, passando então a incluir a investigação experimental. Podia-se assim determinar se uma dada teoria ou modelo realmente se aplicava à natureza.

Com o surgimento do computador, tornou-se possível abordar problemas que não podiam ser tratados pelos métodos teóricos usuais. A simulação computacional (ou experimento virtual) então se tornou uma nova maneira de fazer pesquisa em física, complementar à teoria e ao experimento. Os computadores também possibilitaram uma revolução nas técnicas experimentais. Através de automação de experimentos é possível coletar uma grande quantidade de dados, que podem ser armazenados e, posteriormente, analisados com o auxílio de técnicas computacionais.