O que é

A agricultura foi uma invenção do homem que garantiu a sua existência. É a mais importante atividade econômica do planeta, envolvendo em torno de US$ 2,6 trilhões. É responsável por 99% dos alimentos produzidos no mundo.

Hoje, a sociedade moderna enfrenta um desafio: utilizar os recursos naturais de forma sustentável e atender a demanda crescente por alimento, sem aumentar o gasto de energia nem as áreas agricultáveis. Para propor soluções, contamos com os profissionais das ciências agrárias.

Este conjunto multidisciplinar de áreas de estudo envolve agronomia, agronegócio, medicina veterinária e zootecnia, além de diversas engenharias: ambiental, florestal, da indústria madeireira, de pesca, de recursos hídricos, entre outras subáreas. Todos esses campos de estudo visam à segurança alimentar, investindo no aprimoramento técnico para aumentar a produção e a produtividade agropecuária,  com melhorias no manejo que contribuam para o uso sustentável dos recursos naturais.

As pesquisas em ciências agrárias envolvem campos extremamente promissores, como os organismos transgênicos, biocombustíveis, sustentabilidade, mudanças climáticas e defesa sanitária. A crescente demanda por alimentos, aliada à necessidade de preservação dos recursos naturais, colocam essas ciências entre as que têm mais urgência de formação de recursos humanos, pois a demanda por profissionais atuantes e perfil adequado de formação é crescente.

 

É preciso rever urgentemente processos agrícolas que degradam o ambiente. Entre eles, está o uso indiscriminado de produtos químicos, que se acumulam nos lençóis freáticos e emanam para a atmosfera, e a extensão da pecuária, que impacta muitas áreas virgens. Hoje, 200 milhões de hectares brasileiros são destinados à pecuária. Essa área é mais do que o suficiente para suprir as necessidades sociais, inclusive a demanda de carne como alimento. Portanto, o que se deve fazer em relação às terras não é expandir as áreas de exploração, mas aproveitar melhor as áreas ocupadas com maior eficiência produtiva.

Podemos perceber, então, a importância do cientista agrário: o uso de tecnologias apropriadas poupa terras. As inovações tecnológicas no campo, como a agricultura de precisão, o desenvolvimento de sistemas integrados de produção intensiva, e não extensiva, o cultivo mínimo, entre outras, contribuem para uma produção sustentável.

O Brasil tem uma posição de destaque nessa nova agricultura. Sendo uma liderança mundial em Ciência e Tecnologia (C&T) aplicadas à agricultura tropical, o país deve contribuir para o equacionamento do dilema entre o desenvolvimento do agronegócio e a preservação ambiental, visando à segurança alimentar das populações e a independência tecnológica do setor.