Características necessárias

Para ser um biólogo competente é necessário desenvolver algumas qualidades. Uma questão fundamental é a vontade de trabalhar com o assunto. Assim como em qualquer profissão, é fundamental gostar do que se faz e ter interesse. O trabalho não deve ser encarado como uma obrigação, mas como um prazer em aprender sempre mais e colaborar com a sociedade. Por isso, é importante ter curiosidade, fazer perguntas a respeito do ambiente em que se vive e procurar descobrir como ele funciona, incentivado por um espírito de investigação. É preciso se interessar pelas ciências em geral, pelo corpo humano, pelos animais, pelas plantas e por novas técnicas e tecnologias.

Na pesquisa, tem que se ter muito cuidado. A capacidade de observação acurada, para identificar as particularidades dos objetos estudados, é indispensável. Isso inclui dar atenção aos detalhes: muitas vezes, são eles que fazem a diferença. Também ajudam nesse sentido as capacidades de análise, de concentração e de organização, além de um bom conhecimento da língua inglesa, que é o idioma universal adotado em ciências.

Como a matemática é a linguagem da natureza, é importante ter facilidade em lidar com ela. Nas ciências, de modo geral, todas as suposições ou conclusões devem estar apoiadas em números para serem comprovadas e poderem ser repetidas. Nessa linha, o raciocínio lógicodesenvolvido é um dos atributos requeridos de um bom biólogo, pois o ajudará muito a resolver os problemas que se apresentarem.

A facilidade com o trabalho em equipe também é importante. Toda equipe de pesquisadores, às vezes dos mais diversos ramos, se organiza numa rede de colaboração e solidariedade. Existem portais na internet, como o do Ministério de Ciência e Tecnologia (MCT), que mostram as instituições de pesquisa e as redes existentes no país, entre elas a rede dos Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCTs). Nesse ambiente de convívio, portanto, não se pode abrir mão da capacidade de comunicação oral e escrita, para deixar claro o que se faz, o que se quer e o que se pede.

Saiba mais

Federação de Sociedades de BiologiaExperimental congrega as Sociedades brasileiras de biofísica, bioquímica, biologia molecular, farmacologia e terapêutica experimental, fisiologia, imunologia, investigação clínica, neurociências e comportamento.

 

Fundação Oswaldo Cruz promove a saúde e o desenvolvimento social, além de gerar e difundir o conhecimento científico e tecnológico.

 

Instituto Butantan é um dos maiores centros de pesquisa biomédica do mundo e é responsável por mais de 93% do total de soros e vacinas produzidas no Brasil.

 

Sociedade Brasileira de Biologia, Medicina Nuclear e Imagem Molecularintegra profissionais que trabalham com fontes abertas de radionuclídeos.

Áreas de atuação

Áreas de atuação

As Ciências Biológicas dividem-se em várias especialidades. Mas, antes de listá-las, é importante chamar a atenção para o fato de que essa forma de agrupar interesses é uma simplificação para facilitar a compreensão do todo. Na realidade, as fronteiras entre as disciplinas são muito fluidas e uma depende da outra. Portanto, a multidisciplinaridade é uma característica fundamental da área.

Read more

O que fazem?

O que fazem?

O biólogo é o profissional que estuda os organismos em seu ambiente. Analisa os seres nos seus vários níveis de organização: desde genes, células e órgãos, passando por populações de plantas e animais até a estrutura dos ecossistemas. Ele investiga todas as formas vivas em busca de respostas para as características, origem e a evolução desses seres.

Tais conhecimentos podem ser repassados nas universidades, quando o profissional se interessa pela área docente, e também aplicados em curas de doenças, preservação do meio ambiente, desenvolvimento da agricultura, pecuária e até na indústria.

Os tipos de formação oferecidos nas faculdades em geral

O aluno de Ciências Biológicas pode optar por três tipos de formação universitária:
BACHARELADO: habilita a trabalhar em indústrias e pesquisar;
LICENCIATURA: habilita a dar aulas de Ciências em escolas do ensino fundamental e de Biologia no ensino médio;
MODALIDADE MÉDICA: habilita a trabalhar em laboratórios de análises clínicas e biológicas para diagnóstico de diversas patologias, ou na pesquisa médica em institutos de pesquisa e na indústria farmacêutica. Essa área é abordada mais profundamente nas Ciências Biomédicas.

Pesquisa em universidades e instituições científicas

Quem escolhe o caminho da pesquisa trabalha em laboratórios e é parte de uma equipe. Suas ferramentas de trabalho são microscópios, computadores, refrigeradores, balanças de precisão, centrífugas, tubos de ensaio, pipetas, reagentes químicos e colônias de microorganismos ou células.

Algumas experiências são realizadas com animais experimentais, como ratos, sapos, macacos, cachorros e coelhos. Esses animais são tratados de maneira ética e responsável, sob pena de punição por lei. Conheça a legislação existente no país no site do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT, na página referente ao Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (CONCEA), que regula as atividades das Comissões de Ética das universidades e institutos de pesquisa. A responsabilidade pela divulgação das regras de bioética e a observação de seu cumprimento é dos Comitês de Ética das universidades. Graças ao bom senso e à conscientização de grande parte dos pesquisadores e professores, foram adotados alguns princípios éticos fundamentais e imprescindíveis e buscou-se obter recomendações, no nível internacional, e são elas que hoje norteiam as boas práticas nos biotérios (local onde ficam os animais de pesquisa) nacionais.

Durante o curso de graduação, os estudantes de Ciências Biológicas têm algumas aulas em contato direto com a natureza – florestas e riachos, restingas, lagoas e manguezais – para observar, analisar, indagar e discutir conteúdos ao vivo e a cores. Este é um preparo para a pesquisa de campo – anotação de dados e coleta de material para análise em laboratório – muitas vezes necessária em especialidades como Botânica e Zoologia. Essa parte do trabalho requer deslocamentos ou viagens para locais às vezes distantes, com infra-estrutura precária, e a manipulação de equipamentos avançados como radares, medidores sonoros, aparelhos de aerofotografia, além de máquinas fotográficas e filmadoras.

As atividades de pesquisa são inúmeras e extremamente variadas, requerendo a interação com profissionais de diversas áreas. Você pode ver alguns bons exemplos na seção Áreas de atuação.

Trabalhando em ONGs e empresas

Além das universidades e instituições científicas, as organizações não governamentais (ONGs) e empresas dos mais variados ramos também empregam biólogos que trabalham com pesquisa.

Hoje eles têm um papel importantíssimo no desenvolvimento de projetos de preservação e uso sustentável do ambiente, assim como na prevenção e biorremediação de impactos ambientais.

A eles também cabe a identificação, a caracterização e o desenvolvimento de produtos de interesse biotecnológico, incluindo trabalhos com clonagem, transgênicos, terapias gênicas, células-tronco, produção de vacinas, fármacos e novos produtos.

Há novas oportunidades em Biologia Forense, na investigação de casos policiais, realizando perícias, dando laudos e pareceres.